11 ago 2017

O leitor Vinícius Weite Thomé me enviou esse belo acervo de capas de um jornal sensacionalista, que teve seu auge nos anos 70 com notícias no mínimo peculiares.

Fiz aqui uma pequena coletânea, destacando algumas das principais e mais inacreditáveis histórias noticiadas pelo jornal.

Comecemos pela saga do bebê diabo, que nasceu em São Paulo na década de 70:

Se você nasceu em São Paulo nos anos 70, ele pode ser você:

E o povo fazia de tudo para afastar essa desgraça:

Até que o bebê diabo fez sua primeira vítima:

E o bicho ficou fora de controle:

Enfim, encontraram o responsável:

Em certo ponto da história, o bebê diabo perdeu espaço para notícias bem mais importantes, mas ainda tinha espaço na primeira página:

A última notícia que se teve do bebê diabo foi essa pequena nota de rodapé:

Até que um herói surgiu para tentar achá-lo (tá lá embaixo):

E esta foi a última vez que se ouviu falar em bebê diabo. Mas as notícias ficavam cada vez melhores:

E esta pra mim é a melhor capa da história dos jornais como um todo, já nos anos 90:

Agora, voltemos aos anos 70, com a saga do PELEZÃO:

Pelezão era só um indigente, mas sua vida mudou de repente:

Um dia, Pelezão resolveu se casar:

Mas de alguma forma isso deu muito errado:

 

E o fundo do poço veio rápido:

Depois de Pelezão, as atenções se voltaram para o BEBÊ ATÔMICO:

São Paulo era meio zuada naquela época pra bebês né…

E esta foi a última aventura do bebê atômico:

Até hoje não se sabe dele. Continuarei minha investigação para trazer mais histórias interessantes em breve. Enquanto isso, cuidado com o bebê atômico.

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade. Você será banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.