17 nov 2010

AVISO IMPORTANTE: Antes de prosseguir, saiba que a história por trás do apelido é constrangedora e sem graça. Eu avisei.

Bom, nem preciso dizer que no post anterior, os mais de 80 comentários falharam em adivinhar qual a origem do pseudônimo “Joe”. Bem que eu queria que fosse por causa de G.I. Joe ou Hey Joe, mas não é.

Ninguém ganhou nada. Ainda bem, porque não tinha prêmio mesmo…

Pois bem, (entra musiquinha) SENTA QUE LÁ VEM A HISTÓRIA…

Eu tinha 12 anos quando aconteceu tudo. Diria que é um pouco traumático contar isso dessa forma, mas vamo lá…

Estava eu, junto com uma pirralhada (uns 10 guris entre 10 e 13 anos), comendo um churrascão bacanudo. Após a refeição, a gurizada ficou meio entediada, e começou aquela bela prática de colocar apelidos nos outros.

Muita risada. Afinal era divertido reparar nos defeitos dos outros (coisas de guri mesmo). Naquela época eu era o cara que mais tinha apelidos. Se eu fosse feio seria bom, mas eu era bizarro. Eu era o maior de todos, tinha o dobro da altura dos outros, e consequentemente, a maior cabeça. Fora o jeito desengonçado, dentes abertos na frente (3 anos de aparelho pra fechar), beiço maior que a cara, e olhos enormes. Lindão, né? Minha sorte foi que com o tempo eu parei de crescer, e tudo se ajeitou no lugar, e agora não sou tão ruim assim (é o que dizem).

Pois bem, voltando àquela tarde traumática, eu já estava tão acostumado a apelidos que nem ligava para o que me falavam ali, até que uma hora, todo mundo cansou. Ficou um silêncio, todos sentados em volta da mesa. Eis que um cara, que havia visto pouquíssimas vezes, levanta da mesa, aponta pra mim, e grita:

TU TEM CARA DE SAPO, SAPO JOE!!!!

Jamais havia sido vítima de um apelido tão cruel. Nem preciso falar que as gargalhadas foram intensas. Foram dias, semanas, meses, todo mundo que me via era “e aí Sapo Joe”. Pra um pirralho de 12 anos isso é pesado, traumatizante.

Os anos passaram, mas o apelido me perseguia. Já não ficava tão incomodado, mas era feio. E muita gente também notou que era feio. Algumas amigas começaram a me chamar só de Joe (meu nome de verdade era muito comum no colégio), e outras pessoas acabaram por adotar a mesma idéia. Gostei, acabei me acostumando, e pegou.

Quando fui pra faculdade, o apelido “Joe” foi junto, e fiquei conhecido lá assim (muita gente nem sabia meu nome). Então, quando fiz o blog, resolvi usar o apelido, e também pegou. Acho que nunca vou me livrar disso.

Enfim, eu sei, a história é uma merda, mas, agora vocês sabem. Em breve, novas histórias constrangedoras da minha vida (loka)…

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade. Você será banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.