12 abr 2016

Percebi que faz tempo que não escrevo textos por aqui, então resolvi transformar alguns pensamentos nesse pequeno conjunto de palavras.

Sempre vejo muita gente falando que não curte mandar seu cocozinho embora fora de casa. Na moral, ninguém gosta, mas tem gente que não fala de cocô porque tem vergonha. A verdade é que todo mundo caga, e não há motivo para não falarmos abertamente sobre o assunto.

1

Até os 18 anos eu nunca tinha cagado fora da minha casa ou de casa de algum parente ou amigo bem próximo. Eu simplesmente não conseguia, preferia segurar o aerolito na porta da saída do que encarar um vaso estranho. Quando entrei na faculdade, e comecei a passar o dia todo fora, percebi que alguma hora ia acontecer o inevitável.

E aconteceu. Era uma noite chuvosa, última aula do dia, e logo no início da aula, as contrações já estavam com intervalo de 10 segundos, e mesmo sem espelho, eu conseguia ver meu próprio rosto ficando verde da caganeira. Por sorte, o prédio da faculdade era novo, o banheiro limpíssimo, e com papel de sobra. O bombardeio durou 46 segundos, fiz tudo o mais rápido que consegui, pois aquilo era desconfortável pra mim. Porém, os anos foram passando, e como eu trabalhava durante o dia e estudava à noite, era impossível não fritar um churros em um desses lugares.

Conforme os anos foram passando, peguei um gosto por marcar locais. Fazer um check-in em locais diferentes usando apenas meu cocô. Aquele meu antigo medo de cagar fora de casa se transformaria em uma profissão informal: sommelier de vaso sanitário.

Nos últimos anos eu viajei para vários locais, e notei que cada aeroporto tem sua forma de deixar o vaso confortável para sua cagada. Alguns aeroportos tem protetor de assento, que são desconfortáveis mas é a única saída as vezes. No aeroporto do Galeão, no Rio tem um spray desinfetante, pra passar no assento antes de depositar seu rabo, o que eu julgo até agora como a melhor solução pra não pegar zika vírus pelo cu.

Na minha cidade, Porto Alegre, eu tenho um mapa mental de onde é melhor pra cagar caso você precise. Nos shoppings eu já praticamente sou especialista em banheiros: no Iguatemi é abafado e escuro, no Praia de Belas é apertado, no Bourbon o vaso é ruim de sentar, no Barra a porta é alta e quase transparente, dificultando a concentração. Eu poderia escrever um guia ONDE CAGAR EM PORTO ALEGRE. Inclusive aconselho amigos que estão nessa situação, para melhorar sua experiência. “Ó, CAGA ALI QUE É MELHOR QUE AQUI”, eu digo pra eles.

Então, para aqueles que ficam dias segurando a merda só pra não cagar fora de casa (conheço gente que ficou 4 dias sem cagar durante o feriado de carnaval só pra esperar voltar pra casa), eu recomendo que experimente essa nova experiência, avalie locais, se especialize, ajude as pessoas a terem uma cagada confortável. Sua vida vai mudar, confie em mim.